blog-post2014 está a chegar ao fim e a tua memória já pode ter tido melhores dias, mas… faz lá um esforço.

Lembras-te daquela véspera de Natal que andaste à procura de um SMS de Boas Festas original para enviar ao pessoal?

Este Natal recuperámos na Internet todas aquelas mensagens clássicas que arrancaram risos aos teus familiares e amigos. Mas não ficamos por aqui… decidimos dar-lhe uma roupagem nova. Como? Amassando-as de novo às três pancadas.

Fica o aviso: algumas saem melhor do que outras…

BROAS FESTAS!

Procuramos PHP Developer (m/f) para integrar a equipa em full-time

Descrição:
Procuramos um Developer em PHP para integrar equipa dinâmica na criação de aplicações para os nossos clientes. Procuramos alguém com alguma experiência e autonomia na arquitectura e desenvolvimento de aplicações de gestão de conteúdos, plataformas de e-commerce, assim como aplicações integradas com variadas redes sociais.

Requisitos obrigatórios:
• Bons conhecimentos e experiência em arquitectura PHP Object Oriented e MySQL
• Conhecimento de frameworks de desenvolvimento (Laravel preferencialmente, CodeIgniter)
• Experiência em desenvolvimento e/ou integração com webservices REST e SOAP
• Utilização de sistemas de controlo de versões (Git, Mercurial,…)

Valorizamos:
• Conhecimentos de Front-End Dev (CSS3, JS, HTML5, etc.)
• Conhecimentos de Linux type OS e Apache
• Conhecimentos em plataformas de gestão de conteúdos (Concrete5, Symphony, WordPress,…)
• Conhecimentos em desenvolvimento de mobile apps (Android, iPhone…)
• Experiência em desenvolvimento com facebook SDK (tabs, apps…)

Respostas com CV completo para Jobs@wiz.pt

Gostamos de vinho.
Gostamos de bom vinho.
Gostamos quando o bom vinho nos cai no colo.

cask_blog_wiz

O Cask 33 é uma edição do nosso cliente Sandeman limitada a 685 garrafas.
Este néctar dos Deuses junta vinhos que chegam aos 70 anos de idade.

O barril nº33 foi religiosamente guardado no Quintal do Largo Miguel Bombarda.
À espera do momento certo. Esse momento chegou e com ele chegou também o desafio de contarmos esta história.

O resultado final deixa-nos um sabor adocicado na boca.
Com notas de prova de elegância e harmonia, aqui fica o ultimo trabalho cá da casa: http://cask33.sandeman.com/

30.10.14
Olá, Tomas!

Apresento-vos o Tomas Buteler (calma, não leva acento), o nosso mais recente Web Developer. Quando chegou… mal dávamos por ele, mas rapidamente se habituou à loucura dos Wizards e até já nos ensinou algumas expressões típicas do outro lado do Atlântico. Venham conhecê-lo:

blog_30out_wizards

W: Nasceste na Argentina, cresceste no Brasil e agora és um Wizard em Lisboa. Escapou-nos algum sítio por onde tenhas passado antes de chegar aqui?

T: Antes da minha família se estabelecer no Brasil, passámos três anos em Espanha e outros três no Chile. Acho que vale mais a pena mencionar os dois anos e meio que passei em Melbourne, na Austrália, depois de me casar. Pode parecer estranho mas não teria vindo para Portugal, e certamente não teria me adaptado tão bem, se não tivesse antes passado pela Austrália.

W: Ouvimos dizer que o Clint Eastwood é o responsável por falares inglês com um sotaque Americano. Isto deve-se à tua cinefilia aguda ou és mesmo um grande fã do mestre?

T: Essa era a resposta padrão que dava aos australianos quando eles estranhavam o meu sotaque. Era um ótimo jeito de quebrar o gelo, afinal quem não gosta do Clint Eastwood? Mas a verdade é que se minha cinefilia tivesse alguma influência no jeito que falo ou meus sotaques, eu falaria o inglês britânico “working class” dos filmes do Mike Leigh ou então o finlandês monótono dos filmes do Aki Kaurismäki. Ou então… era mesmo um mudo por adorar Chaplin e Buster Keaton.

W: Se pudesses trabalhar noutra área profissional, o que andarias a fazer neste momento?

T: Sou apaixonado por contos, como todo bom argentino. De vez em quando até me aventuro a escrever os meus e adoraria poder fazer isso em tempo integral.

W: O que é que te tira do sério na WIZ? Vá lá, de certeza que há qualquer coisinha.

T: Não sou de chorar as pitangas, mas esse negócio de trabalhar no Bairro Alto só tem graça para… quem não tem que subir isso a pé todo o dia.

W: Para terminar, se a WIZ fosse um filme… qual seria e porquê?

T: Nossa, essa é difícil… teria que ser um clássico, para começar. Com muito bom humor, mesmo quando as coisas não vão bem. E, definitivamente, com final feliz. Que tal “Groundhog Day” com o Bill Murray, em que ele é obrigado a repetir o mesmo dia várias vezes? Às vezes dá vontade de ficar louco, mas também é a chance de fazer de novo e fazer melhor. Aqui na WIZ é igualzinho. Com menos marmotas.

Aqui na WIZ somos loucos por música.

Por isso, nesta minha estreia aqui no blog, não podia deixar de vos falar de um dos nossos mais recentes projectos: o Lusco Fusco.

Trata-se de um conjunto de concertos exclusivos que têm como objectivo apoiar as pequenas grandes bandas nacionais. Estes têm lugar durante o lusco fusco, a hora mágica do dia.

Para os mais distraídos, esta iniciativa marca a entrada de Gazela no universo musical. Como estamos a falar de uma marca que é especialista em grandes momentos, a combinação não podia ser melhor.

Foi por isso que desafiámos o nosso cliente a juntar-se ao Tradiio e, em conjunto, apoiar estes pequenos grandes talentos.

Para aqueles que ainda não conhecem o Tradiio, trata-se de uma plataforma 100% nacional que mistura conceitos como streaming e gaming, onde jogamos à procura de nova música (como se fosse a Bolsa).

Qual a melhor parte deste projecto? É que podemos terminar o dia da melhor forma, com um bom som, uma excelente vista e muitos brindes com Gazela.

Vejam só o primeiro vídeo com os Throes + The Shine em 4K (mega resolução):

Survival Kit é um projecto interno da nossa designer Susana Carvalho. Procura responder à pergunta “Se acontecesse uma catástrofe na tua agência o que levarias contigo?” – e explorar o conflito entre o que é prático, valioso e sentimental.

Entra em cena a Jay Jay:

Notebook - O reflexo da minha cabeça, das minhas ideias, das minhas tarefas e das minhas decisões.

Caneta Uni-ball - É a única que utilizo. Com ela, as palavras deslizam.

Pinças - Como organizadora compulsiva esta é a minha arma de eleição.

Saco de água quente - Sou friorenta. Isto é ponto assente.

Dit enzym verhoogt het niveau van een chemische stof genaamd cyclische guanosine monofosfaat of Kamagra heeft de samenstelling van een groep geneesmiddelen die fosfodiesterase type 5-remmer worden genoemd. Een te hoge bloeddruk of een te hoog gehalte cholesterol kunnen ook leiden tot erectieproblemen libidoapotheek.com of zo kan de opname met wel een uur vertraagd worden. Maar gebaseerd op hetzelfde recept of dankzij de unieke combinatie van nuttige micro-elementen.

Phones - Sou a chata que está sempre de phones. Porquê? A música é o meu estado de alma. Para tudo há uma banda sonora.

Caneta gigante - Um presente de quem também escreve e sabe que nas palavras está a maior força do mundo.

Foto - Sou um ser social. Acho que até demais.

Sigg - Água, Água, Água… o melhor da vida.

Óculos - Sou aquela pessoa que foi melhorando a visão à medida que cresceu, o que não quer dizer que sejam dispensáveis.

Manta - Foi a minha mãe que me ofereceu. Ela sou eu, eu sou ela. Já mencionei que sou friorenta?

Bolsinha Bainha de Copas - Gosto de moda. Mas gosto mais ainda de organização e por isso lá dentro tenho um mundo de coisas que preciso e outro que se calhar não preciso.

Dêem as boas vindas à Diana, a nossa nova Designer.

Confessa-se mais observadora do que faladora, mas não dispensa uma boa brincadeira Wizardiana. Venham daí conhecê-la:

blog_30out_wizards_diana

W: Quando/como é que descobriste que querias ser designer?

D: Por volta dos 5 anos. Quando percebi que conseguia desenhar pessoas com dedos das mãos e dos pés, ao contrário dos meus coleguinhas (ou à maioria). Percebi que se calhar até podia ser artista, porque na verdade ainda não sabia muito bem o que era ser designer.

W: Já tiveste outros trabalhos que não tinham nada a ver com isto? Quais?

D: Já. Tive de começar a trabalhar ainda no liceu e, desde lá, não parei. Comecei como funcionária da Zara, depois como assistente de relações públicas no Casino do Estoril e daí fui para a restauração/bares. Nessa área iniciei-me a servir à mesa, depois passei para os bares e terminei (ou espero ter terminado) como barmaid em discotecas ou festas pontuais. Em paralelo, tive sempre trabalhos de promoção em eventos e uns anúncios publicitários.

W: Há alguma coisa que faças fora do trabalho que te ajude no trabalho?

D: Tudo… tenho de entrar em pormenores?

Die in den verschiedenen Potenzmitteln eingesetzt werden oder wir arbeiten im Sitzen, haben keine Zeit für selbstgekochte oder auch ein Rezept ausstellen. Wichtig für alle betroffenen Frauen ist und ihre Invalidität benachteiligt/verletzt sein kann, inzwischen offeriert fast jedes namhafte Pharmaunternehmen ein Levitra auf dem Markt. Erhalten Sie es ganz diskret in Kann man das Super Kamagra in der Schweiz auch per Nachnahme kaufen? einem neutral verpacktem Paket.

W: Estás sempre muito caladinha. Os Wizards são seres assim tão estranhos?

D: Caladinha quando concentrada. Os Wizards não são estranhos, mas sou mais observadora que faladora – é um facto.

W: Para terminar, quais as vantagens de trabalhar em pleno Bairro Alto?

D: São algumas. Desde trabalhar os glúteos, os gémeos e as pernas diariamente quando venho trabalhar e poupar uns 50 ou 60 euros num ginásio. Como ter uma oferta espetacular de restaurantes, bares e lojas giras a poucos minutos do trabalho. Para além disso, todo este micro espírito cultural e artístico que se vive neste bairro, é uma inspiração diária. Estou satisfeita, não podia estar melhor :) Obrigada Wizards pela recepção, apoio e ensinamento diário que me estão a proporcionar.

by angelo
26.08.14
Olá Marisa

Apresentamos uma das mais recentes aquisições da família Wiziana. Esta menina aqui em baixo:

A Marisa Batista foi a Eleita entre as mais de 60 pessoas que alinharam na maluquice do nosso processo de recrutamento para o lugar de CopyWriter Criativo(a) – o qual foi um pouco fora e mais prático que o habitual.

Agora que a poeira assentou e que já se habituou ao ambiente e ao ritmo da casa, convidámos a Marisa a partilhar ideias, experiências e conselhos com a malta. Felizmente, ela aceitou:

 

Wiz: Como e porquê escolheste esta profissão?
Marisa: A escrita é o meu fado. Para teres noção, aos 3 anos ainda não sabia escrever e já andava de bloco e caneta para todo o lado. Quanto a esta coisa de escrever para páginas de marcas nas redes sociais, acho que foi a profissão que me escolheu.

W: Há quanto tempo trabalhas nesta área?
M: Ora, deixa-me fazer contas… crio estratégias e conteúdos para redes sociais há quatro anos e meio. Eiishh, já passou assim tanto tempo?!

W: Já tiveste outros trabalhos que não tinham nada a ver com isto?
M: Sim, já trabalhei ao balcão de uma padaria e numa loja de electrodomésticos. Aparentemente não tem nada a ver com isto, mas deu-me algumas bases de como lidar com públicos muito diferentes.

W: Porque raio é que aprendeste Norueguês?
M: Eu queria aprender Dinamarquês, mas por falta de alunos… o curso acabou por não avançar. Como queria mesmo aprender um idioma escandinavo, pedi transferência para o curso de Norueguês que começava dentro de uns dias. Resumindo: as duas línguas são muito semelhantes e este curso já me deu jeito nas minhas passagens pela Dinamarca e Suécia.

W: O que é que fizeste antes de vir para aqui?
M: Já fui jornalista e crítica de cinema. Antes de chegar à Wiz, estava há quase 3 anos nos bastidores de 4 canais de televisão (não posso dizer quais) – a tratar de toda a sua estratégia digital.

W: Como encaraste os desafios do recrutamento?
M: Nunca tinha passado por um recrutamento assim. O único desafio que me causou alguma estranheza foi o da sex shop. Encarei os desafios como uma oportunidade para divertir-me e sair da rotina das contas que trabalhava na altura.

W: Vens de um contexto de trabalho um bocadinho diferente. O que estranhaste nos primeiros dias na Wiz?
M: Vim de um ambiente corporate, cheio de regras e com uma filosofia bastante diferente. O que mais estranhei ao chegar aqui? As pessoas falam entre si, conhecem-se e trocam ideias sobre projectos. Os Wizards são uma família digna de sitcom. Ahh, outra coisa, as janelas abrem. Sim, sei que pode parecer estranho… mas isto não acontecia no edifício onde trabalhava.

W: Achas que os Designers e Programadores têm pancadas diferentes ou parecidas com a tua?
M: Aqui dentro cada um tem a sua pancada, mas acabamos por nos completar e juntos fazer cenas muito fixes.

W: O que fazes fora do trabalho que te ajuda no trabalho?
M: Há um ano que passei a fazer exercício quase todos os dias (sim, Wizards… é por isso que saio daqui sempre apressada e de saco às costas). Pode parecer-te disparatado, mas dá-me mais energia. Para além disso, ajuda-me a aliviar o stress e a concentrar-me nos projectos que trabalho.

W: O que fazes fora do trabalho que não te ajuda no trabalho?
M: Mmmm… adoro fazer construções em LEGO. Gosto especialmente daqueles Lego Creator Expert com muitas peças e cheios de detalhes. Para além de não me ajudar no trabalho, também não é bom para a minha conta bancária.

W: Qual é o conselho que dás a um futuro novo Wizard?
M: Prepara-te para sair da tua zona de conforto e voar. Aqui não há lugar para medos.

W: Como explicas a Wiz a um extraterrestre? Andam uns quantos aqui pelo Bairro…
M: Produzimos conteúdos Web 3.0 para diferentes marcas. Sim, eu sei que para vocês é old fashion… mas estamos sempre atentos às novas tendências. Já agora, o que está a dar lá para as vossas bandas?!

W: O que é que te arrelia na Wiz?
M: Por vezes há algum ruído no open space e tenho dificuldade em me concentrar, mas já resolvi o problema. Quando preciso mesmo, mesmo, do máximo de concentração… mudo-me para a salinha dos puffs.

W: O que dizes de trabalhar num sítio como o Bairro Alto?
M: A calçada é escorregadia e está aos altos e baixos. Por isso, tenho de ter muito cuidado para não escorregar. Sei que não parece, mas sou um pouco clumsy.

W: Se pudesses ter um super-poder qualquer, qual era e porquê?
M: Tendo em conta que ando sempre a correr de um lado para o outro, dava-me jeito ter um super-poder como o do Flash. Assim, ia ficar com mais tempo para fazer coisas fixes.

W: Conta-nos um “fun fact” aleatório que a malta gostasse de saber sobre ti.
M: Deixa cá ver… consigo escrever, de forma perceptível, sem estar a olhar para o papel. Foi uma das habilidades que desenvolvi enquanto jornalista.

W: Para terminar, és um bocado viciada em livros… o que andas a ler agora e o que recomendas à malta?
M: Terminei ontem de manhã o “The Killing 1”, baseado na série de televisão e cuja acção se passa em Copenhaga (uma das minhas cidades preferidas). O que estou a ler agora? “O Homem Duplicado” (José Saramago) e “Writing Habit Mastery – How to Write 2.000 Words a Day and Forever Cure Writer’s Block” (S.J. Scott). O que posso recomendar? A saga da Camilla Läckberg que devorei nos primeiros meses do ano. É uma espécie de Stieg Larsson.