Há alguns anos que B!monada é um dos clientes cá da casa. Trabalhamos as redes sociais da marca desde a altura em que só havia B! Ice Drinks. Foi com orgulho que acompanhámos o seu crescimento, desde o lançamento de novos sabores à criação de uma nova gama de produtos.

Wiz_blog_B!monada

Foi para este cliente que criámos o projecto que vou apresentar mais abaixo. Mas primeiro, imagina o seguinte cenário:

Estás num autocarro lotado de gente, recebes uma chamada e precisas mesmo de dizer uma coisa mega importante mas que não queres que toda a gente saiba. 

O que fazes?

1 – Pões a mão à frente da boca, baixas o tom de voz e dizes o que tens a dizer – como se fosses o elemento mais secreto do MI6? 

2 – Sais na próxima paragem, apesar de estares a quilómetros do destino, só para falares à vontade? 

Já assisti a cenas destas, eu própria posso já ter protagonizado uma ou outra (não revelo qual). E sei que não é justo, sobretudo depois de um dia de trabalho ou de aulas na faculdade – em que já nem te lembras do teu nome e queres mas é sopas e descanso.

Vá, fica tranquilo… nós temos a solução. Para além de ser grátis, não precisas de queimar as pestanas para falar como um mestre.

No final do ano passado fomos desafiados a criar um idioma exclusivo para a marca B!monada. Ora tendo esta marca uma comunicação irreverente, o resultado final tinha de ser no mínimo diferente.

Adivinhava-se um processo difícil (e foi). Não nos podemos esquecer que uma língua é um organismo vivo, tem uma série de vicissitudes e singularidades – chegando a demorar décadas (ou até mesmo séculos) a construir.

Após debruçar-me sobre guias de idiomas menos usuais e fazer uma série de testes e combinações… nasceu o B!monês – o idioma oficial dos fanáticos de B!monada.

Através do site e da App “B!monês de Bolso” (desenvolvida pela Carbon Bold para Android e iOS) podem traduzir e converter qualquer mensagem entre Português e B!monês. Wiz_blog_B!mones

Vá, vão lá experimentar. E se o fizerem através da App, ainda podem tentar a vossa sorte no passatempo desta semana.

Aqui na WIZ todos os dias ajudamos alguém a ajudar o Planeta Terra. A tarefa pode parecer uma coisa do outro mundo, mas é bem mais simples do que possam imaginar.

A resposta está neste vídeo em que as minhas palavras e os desenhos da Diana, ganharam vida graças à voz da Inês Carvalho, à sonorização do João Tiago e à animação do João Lagido (Sponge).

A Missão POWER UP é um projecto educativo da Galp Energia. Tem como objectivo desafiar as escolas do 2.º e 3.º Ciclo a tornarem-se mais eficientes a nível energético. Como? Envolvendo toda a comunidade escolar através de acções feitas na escola.

Esta não é a estreia dos Wizards nos projectos educativos da Galp Energia. Para além de trabalharmos a Missão POWER UP desde o primeiro dia, e termos desenvolvido a identidade deste projecto (naming e logotipo), também temos espalhado a nossa magia pela Missão UP e o Galpshare.

Por falar em Missão UP, sabiam que foi esta a origem da Missão POWER UP? Pois é, este projecto destinado aos alunos do 1.º Ciclo teve tanto sucesso que a Galp Energia decidiu alargá-lo ao 2.º e 3.º Ciclo.

Tudo isto para vos dizer que, depois da edição zero no ano-lectivo passado, a Missão POWER UP está de regresso e traz novidades. Querem saber quais?

1. Refizemos algumas áreas do site para facilitar ainda mais a experiência do utilizador.

wiz_missaopUP

2. O Leandro transpôs para Apps Mobile (Android/iOS) os jogos que já tinha criado para a Missão POWER UP, a partir dos conceitos do Gil d’Orey.

Wiz_blog_apps

3. E ainda programou um jogo novinho em folha para a malta se divertir: o POWER MONSTERS.Wiz_blog_monster

Mas não ficamos por aqui: como ajudar o Planeta deve ser um dever de todos, este ano vocês também vão poder jogar e doar parte da vossa pontuação a uma Escola à vossa escolha. Neste momento ainda não é possível doar parte da pontuação, por isso eu aviso-os assim que a função estiver disponível. Combinado?

Vá, de que estão à espera? Venham daí conhecer este projecto e também o nosso trabalho no Facebook Missão POWER UP.

A relação entre a Wiz e o grupo Mosqueteiros não é de hoje.

Somos velhos conhecidos e talvez seja por isso que nos identificamos tanto com o processo do bricolage.

A aventura de construir, reconstruir e até destruir para começar de novo. Se pensarmos no processo desta forma, bricolage também é o que nós fazemos aqui na Wiz.

Foi neste espírito de bricolage electrónico que pegámos no digital do Bricomarché para renovar o site e lançar a presença da marca no Facebook.

 

responsive

 

O planeamento e acompanhamento de um projecto de bricolage nem sempre permite ter um computador à mão. Tornou-se por isso essencial pensar no novo site Bricomarché em responsive design.

Ninguém quer andar de computador pelo jardim fora só para conseguir visualizar onde fica aquela mesa que adoramos e qual o barbecue mais adequado para o espaço.O site mobile facilita a vida do cliente Bricomarché, seja em casa ou na Loja.

 

DIY 

 

Imagina que tens uma ideia lá para casa mas não sabes como se faz…

A secção de vídeos “Faça Você Mesmo” dá-te uma ajuda! Há montes de coisas mais fáceis de fazer do que aparentam. Já sabes, antes de chamares o handyman aí do sítio, passa por aqui.

 

Produtos

 

Para quem já sabe o que quer temos uma área de Produtos com multi-filtragem por categorias. Também podes juntar produtos a uma lista e enviá-la por e-mail ou até mesmo pedir orçamentos. Este é mais um passo a caminho da loja on-line que queremos vir a ter.

 

Facebook

 

 

No Facebook mantemos-te a par de todas as novidades, promoções, novos folhetos e catálogos e ainda uma série de dicas úteis que qualquer um de nós consegue experimentar em casa. Por lá já somos mais de 12 mil a trocar ideias, junta-te a nós.

O Bricomarché sabe que todos damos mais valor ao que conseguimos fazer com as nossas mãos. É mesmo isso que fazemos todos dias, e gostamos.

 

 

Quando fomos abordados pelo Banco de Portugal para fazermos o site do novo Museu do Dinheiro ficámos entusiasmados.

Esse entusiasmo cresceu exponencialmente quando tivemos a oportunidade de visitar a nave e futuras salas do Museu em primeira mão.

O site, tal como o Museu, está na sua primeira fase e será actualizado durante o ano de 2016 quando a colecção do Museu estiver disponível, mas isso não significa que não haja histórias para contar.

360Desafio 1: Destacar a reabilitação da Igreja de São Julião

Solução: A Igreja que serve de nave ao Museu já está aberta ao público e tem entrada livre. O espaço está magnificamente requalificado e como prova disso mesmo montámos uma visão 360 da Igreja que deixa qualquer um com vontade de dar lá um salto.

Mobile AgendaMobile PlantaMobile Igreja

Desafio 2: Responsive design intuitivo e que acrescente à visita

Solução: De que serve o site de um Museu se não for útil quando estamos a visitá-lo? Modéstia à parte, a nossa equipa de design fez um excelente trabalho quando projectou a versão mobile do site. Quer seja para planear uma visita, ou mesmo para guiar a mesma, achamos que algumas áreas do site ficam ainda mais bonitas nos ecrãs de bolso.

Abre em 2016

Desafio 3: O lançamento em 2 fases

Solução: Estando a Igreja de São Julião e a Muralha de D.Dinis abertas ao público, o Museu e toda a sua colecção só ficarão disponíveis durante o ano que vem. Isso exigiu uma organização de conteúdos que destaque toda a informação útil do que está aberto agora, mas que também prepare o site para receber toda a colecção, que será disponibilizada no site aquando da abertura total do Museu.

Já abrimos as portas e estamos à espera da tua visita, ao site e ao Museu.

 

Gostamos de fazer trabalhos grandes para os clientes da casa.

Roady, a marca de Centros Auto do grupo Mosqueteiros, já tem uns anos de casa e tem agora um novo site online com vários desafios cumpridos:

Desafio: Tornar os Serviços dos Centros Auto Roady mais visíveislanding page

Solução: Além da área de Serviços presente no menu, foi colocada uma “língua” visível ao aterrar no site que apresenta os vários Serviços oferecidos e convida o utilizador a explorar os seus detalhes.

Desafio: Ter mais produtos na Homepage do site

Products Console

Solução: Para além da nova área de Produtos, cuja base de dados vai crescendo à medida que os folhetos da marca são lançados, criámos uma consola na HomePage que destaca os produtos e preços mais apetecíveis dos Folhetos actualmente em vigor.

Desafio: Navegação intuitiva e multi-dispositivos

ResponsiveSolução: Os problemas no carro costumam acontecer quando estamos no carro. Como nem sempre temos um computador com internet dentro da viatura, a portabilidade do site Roady é uma mais-valia para a marca.

O responsive design é da responsabilidade da nossa Diana Botelho e implementado pela nossa equipa de programação.

Tens luz verde para passeares pelo novo site Roady sem limite de velocidade e qualquer coisa já sabes, dá-nos uma apitadela no Facebook.

 

 

06.07.15
Olá, Siân
0

A Wizard que se segue vem de uma das ilhas mais bonitas a nível mundial e tem um nome no mínimo original. Já conhecem a Siân?

Wiz: De certeza que já o pronunciaram o teu nome de mil e uma maneiras. Há alguma em especial que te tenha ficado gravada na memória?
Siân: Não há nenhuma em particular que me lembre, mas por norma sou o azul “Cyan”.

W: Como/quando é que descobriste a tua queda para o design?
S: Sempre soube que teria que trabalhar no ramo artístico. Mas foi no secundário, quando tive que fazer um trabalho para refazer o packaging dos chás Gorreana que me despertou o interesse pelo design.

W: E se não fosses designer. O que serias…?
S: Provavelmente seria Stylist.

W: Sabemos que és uma apaixonada por moda. Se a WIZ fosse uma tendência de moda qual seria e porquê?
S: Talvez Boho-chic? Há uma certa onda free spirit, artística e pouco tradicional na Wiz que nos deixa à vontade.

W: Vá, confessa. Os Wizards são seres assim muito estranhos?
S: Não muito. Mas também sempre gostei de pessoas estranhas, costumam ser mais interessantes. ;)

W: Se tivesses de explicar na tua terra (São Miguel, Açores) como é trabalhar no Bairro Alto, o que dirias?
S: É dardê subi aquela rua corisca mal amanhada todos os dias. Mas consola trabalhá ali.

W: Aqui que ninguém nos ouve. Qual a coisa que mais te tira do sério na WIZ?
S: Não é que me tire do sério, mas ninguém compreende a minha hiper sensibilidade térmica! É sempre uma luta para ligar o aquecimento no Inverno.
Ah, e o Pedro Patrício* eheh.

*um dos partners da WIZ Interactive

20.02.15
Olá, Leandro!
0

Mais um Wizard para apresentar. Venham daí conhecer o Leandro:

O Leandro

Wiz: Bem-vindo Leandro, o que te trouxe à Wiz?

Leandro: A oportunidade de voltar a trabalhar com Web e novas tecnologias (html5 e javascript). Já tinha trabalhado na área, mas não correu tão bem como esperava e acabei por mudar de ares.

 

W: Mas és coder desde pequenino? 

L: Não, a minha área de formação e paixão é a multimédia, tudo o que tenha a ver com 3D, jogos e arte conceptual mas principalmente o desenho multimédia.

 

W: E és de cá?

Sou Português, mas não nasci cá. Nasci na Suíça numa pequena terrinha mesmo na fronteira com a França, chamada Meyrin (perto de Geneve). Só vivi lá até aos 3 anos. Não tem muito movimento, mas tenho boas memórias de quando vou lá visitar a família que ainda lá vive. É sossegado e bonito.

 

W: E depois?

L: Vim para Portugal, fiz os meus estudos por cá e depois da faculdade comecei a trabalhar como coder.

 

W: E saltaste directo de lá para cá (Wiz)?

L: Não, depois aventurei-me no mundo dos freelancers que me deu a oportunidade de ir trabalhar para a Dinamarca.

 

W: Altamente! E foste trabalhar como coder?

L: Não, neste caso como artista para o desenvolvimento de um vídeo-jogo. Foi espectacular, o tempo que lá estive mudou-me por completo. Se tiver oportunidade, voltarei certamente à Dinamarca.

 

W: Calma, não vás já que gostamos de te ter connosco! E aqui na Wiz, qual é a coisa de que mais gostas? 

L: O que sinto aqui que de diferente é o facto de termos liberdade criativa. Os inputs que cada um dá para um trabalho são respeitados, as decisões nem sempre são impostas e o resultado dos projectos reflecte sempre o colectivo.

 

W: Bem… corámos! E agora uma coisa que mexa contigo e te faça confusão aqui na Wiz?

L: Hummm, não há muitas coisas que queira partilhar (risos). Houve uma altura que uma colega nossa mexia muito no cabelo e isso desconcentrava-me um pouco.

 

W: Os cabelos Pantene da Wiz agradecem. Então e ao fim do dia, quando sais porta fora, o que puxa por ti?

L: Dedico parte do meu tempo livre a melhorar as minhas vertentes artísticas. Construí a minha máquina de sonho peça a peça e agora tenho usado o meu tempo livre para me divertir com ela.

 

W: Que tipo de máquina?

L: Montei um computador onde posso fazer desenho digital como quero, tenho treinado perspectivas, cores, por aí.

 

W: Desenho digital! Tens alguma coisa que possas partilhar connosco?

L: Do que posso partilhar, tenho uma ilustração da qual gosto bastante:

Digital_art_Leandro

W: Espectáculo! E além do desenho digital?

L: Também adoro videojogos. Desde pequeno, das memórias mais antigas que tenho são as tardes a fio passadas com o meu primo na Nintendo. A minha avó chegou a esconder a consola para nós não jogarmos tanto.

 

W: E tens um jogo preferido de sempre?

L: Super Metroid e Metroid Prime. Com sorte fazem um novo nos próximos tempos.

 

W: E a Wiz… se fossemos um videojogo. Qual seríamos?

L: É fácil, Game Dev Tycoon. Geres uma empresa que desenvolve jogos e controlas todos os seus recursos. É parecido com o que fazemos cá.

 

W: Conta-nos uma coisa que nunca tenhas contado a ninguém… 

L: Hummm, difícil! Posso confessar, agora que passámos o Carnaval, que detesto mascarar-me. A última vez que me mascarei foi para um concurso em que ganhavas bilhetes para a antestreia do “Alice no Pais das Maravilhas” do Tim Burton. Investi um balúrdio num fato de Chapeleiro Louco e ganhei os bilhetes com louvor. O que é que aconteceu? Cheguei à bilheteira para levantar os convites e os bilhetes estavam à venda ao público. Desde então, máscaras, nunca mais!

 

W: Já que entrámos nos segredos, conta-nos uma coisa sobre ti que seja diferente das pessoas que te rodeiam.

L: Epá, isso não é fácil! Diria que se tivesse que identificar alguma coisa, revejo-me como uma criança. Às vezes sinto que devia ser mais adulto. Mas não sou, nem quero ser.

 

W: E super poderes, escolhe um, seja ele qual for!

L: Não sou muito fã de comics, por isso não vou dizer nada muito abonecado. Diria que se pudesse escolher qualquer coisa, seria poder escolher o número de horas que durmo, sem sofrer de cansaço.

 

W: Uma escolha bastante útil, sem dúvida. Obrigado por partilhares um bocadinho de ti e bem-vindo à Wiz.

L: Obrigado eu.

 

blog-post2014 está a chegar ao fim e a tua memória já pode ter tido melhores dias, mas… faz lá um esforço.

Lembras-te daquela véspera de Natal que andaste à procura de um SMS de Boas Festas original para enviar ao pessoal?

Este Natal recuperámos na Internet todas aquelas mensagens clássicas que arrancaram risos aos teus familiares e amigos. Mas não ficamos por aqui… decidimos dar-lhe uma roupagem nova. Como? Amassando-as de novo às três pancadas.

Fica o aviso: algumas saem melhor do que outras…

BROAS FESTAS!

Gostamos de vinho.
Gostamos de bom vinho.
Gostamos quando o bom vinho nos cai no colo.

cask_blog_wiz

O Cask 33 é uma edição do nosso cliente Sandeman limitada a 685 garrafas.
Este néctar dos Deuses junta vinhos que chegam aos 70 anos de idade.

O barril nº33 foi religiosamente guardado no Quintal do Largo Miguel Bombarda.
À espera do momento certo. Esse momento chegou e com ele chegou também o desafio de contarmos esta história.

O resultado final deixa-nos um sabor adocicado na boca.
Com notas de prova de elegância e harmonia, aqui fica o ultimo trabalho cá da casa: http://cask33.sandeman.com/

Dêem as boas vindas à Diana, a nossa nova Designer.

Confessa-se mais observadora do que faladora, mas não dispensa uma boa brincadeira Wizardiana. Venham daí conhecê-la:

blog_30out_wizards_diana

W: Quando/como é que descobriste que querias ser designer?

D: Por volta dos 5 anos. Quando percebi que conseguia desenhar pessoas com dedos das mãos e dos pés, ao contrário dos meus coleguinhas (ou à maioria). Percebi que se calhar até podia ser artista, porque na verdade ainda não sabia muito bem o que era ser designer.

W: Já tiveste outros trabalhos que não tinham nada a ver com isto? Quais?

D: Já. Tive de começar a trabalhar ainda no liceu e, desde lá, não parei. Comecei como funcionária da Zara, depois como assistente de relações públicas no Casino do Estoril e daí fui para a restauração/bares. Nessa área iniciei-me a servir à mesa, depois passei para os bares e terminei (ou espero ter terminado) como barmaid em discotecas ou festas pontuais. Em paralelo, tive sempre trabalhos de promoção em eventos e uns anúncios publicitários.

W: Há alguma coisa que faças fora do trabalho que te ajude no trabalho?

D: Tudo… tenho de entrar em pormenores?

W: Estás sempre muito caladinha. Os Wizards são seres assim tão estranhos?

D: Caladinha quando concentrada. Os Wizards não são estranhos, mas sou mais observadora que faladora – é um facto.

W: Para terminar, quais as vantagens de trabalhar em pleno Bairro Alto?

D: São algumas. Desde trabalhar os glúteos, os gémeos e as pernas diariamente quando venho trabalhar e poupar uns 50 ou 60 euros num ginásio. Como ter uma oferta espetacular de restaurantes, bares e lojas giras a poucos minutos do trabalho. Para além disso, todo este micro espírito cultural e artístico que se vive neste bairro, é uma inspiração diária. Estou satisfeita, não podia estar melhor :) Obrigada Wizards pela recepção, apoio e ensinamento diário que me estão a proporcionar.