Convocámos o Filipe para nos dar o seu “Hello, World!”. Se podemos garantir que as respostas não foram dadas por um software programado para isto? Não. Capaz disso é ele.

filipe-entrevista-cor

Wiz: Olá Filipe, de uma escala de “está tudo bem, raramente há stress” a “tiro 2 minutos por dia para chorar no WC” como classificas a vida no planeta dos developers?
Filipe: Tiro vários minutos por dia para chorar no WC: quando afinal é para fazer da outra maneira, legacy, bugs, quando sai uma framework nova de javascript…etc…a vida dos developers está cheia de oportunidades para chorar. Mas é uma coisa positiva, é da forma que mantemos os olhos húmidos depois de tantas horas ao computador.

W: Olha, tenho uma tia-avó com 93 anos que – por alguma razão – gostaria imenso de perceber o que raio é ser developer. Consegues explicar-lhe? (eu depois meto isto com letras grandes).
F: Vou tentar com uma analogia à construção civil: Ser developer é como ser um engenheiro civil, trolha, mágico e padre: É preciso pegar no plano e engenhar como é que a casa se vai fazer. Depois de tudo preparado, é por as mãos na massa e martelar o teclado até surgir a casa. Quando está quase pronta, chega-se à conclusão que era melhor dois quartos e que uma casa sem cozinha não funciona e é preciso fazer a magia de alterar a casa toda sem mexer nas vigas mestras. No final, o projecto não era uma casa, mas um parque de estacionamento e é preciso recorrer ao milagre de fazer a coisa funcionar. Se a analogia não funcionar e se a tua tia-avó até for toda para a “frentex” diz-lhe que faço “facebooks” à vontade do freguês.

W: O Filipe-garoto estaria contente se visse o que o Filipe-adulto anda a fazer agora, ou o Filipe-garoto tinha outra profissão de sonho?
F: Depende do quão garoto… O Filipe-garoto queria ser actor, médico ou piloto de aviões. Esse deve estar um pouco desiludido. O Filipe-não-tão-garoto ficaria satisfeito porque sempre se sentiu fascinado pelas novas tecnologias e, por isso, trabalhar no meio é uma enorme satisfação.

W: Vi “Mr Robot” de enfiada e confesso que ando um bocado paranóico. Preciso que me garantas que não és hacker-ultra secreto: o que fazes depois das 19h?
F: Depois das 19h normalmente é a altura ideal para me deitar no sofá e descansar. Depois disso, faço o que toda a gente faz: Ver filmes ou séries, jogar videojogos e às vezes cometo a loucura de programar mais um bocadinho. Mas não deixes de ficar paranóico pois a melhor altura para te “hackear” seria enquanto estivermos os dois na Wiz, ligados à mesma rede…muahahah

W: Imagina que conseguias resolver bugs da vida real, qual escolherias? (eu tenho um que envolve comida quente e óculos embaciados.)
F: Não sei se isto se qualifica como bug da vida real, mas as lides domésticas deviam acontecer automaticamente. Imagina o que era abrir o roupeiro e estar lá a roupa toda lavada e passada ou nunca teres loiça para lavar. Maravilha!

W: Tens de escolher passar o resto da tua vida sem uma destas 3 coisas: cinema, música e videojogos. Qual é que não te faz assim tanta falta?
F: Agora é que me tramaste. Por causa desta malvadeza estou a ponderar se devo ou não hackear-te. Já que tenho mesmo de escolher, terá de ser videojogos. Por nenhuma razão em particular…fiz aqui um programa para tirar a resposta ao calhas.

W: Tempo para uma conversa entre os únicos dois portistas cá do sítio: é tramado aturar uma Wiz cheia de lampiões e lagartos não é?
F: É sempre tramado aturar lampiões e lagartos, especialmente quando o Porto faz uma época destas. Mas verdade seja dita, não são os mais insuportáveis.

W: Assim que entraste na Wiz, qual foi a coisa que viste/ouviste pela primeira vez que te fez pensar “raios partam, onde é que eu me vim meter…” ?
F: Vou evitar esta pergunta respondendo da seguinte forma: uma ou duas semanas após começar na Wiz, decidiram deitar o prédio ao lado (o qual partilhamos uma parede) abaixo. Provavelmente devo ter dito isso quando a barulheira das obras começou.

W: Qual foi a coisa mais marada que apanhaste na internet na última semana? (uma que possas contar).
F: Como cães a andar de bicicleta ou porcos a fazer surf já não surpreendem ninguém, foi o Porto ficar em terceiro lugar. =/

W: Por falar em coisas estranhas: aqui entre nós que ninguém nos lê, já topaste algum hábito estranho de alguém por aqui?
F: Um dos hábitos que acho mais engraçados na Wiz são as pausas para comer amendoins. Além disso, e não sendo um hábito estranho mas também na categoria do engraçado, e sem revelar nomes, existe uma pessoa que quando está na “zone” e a curtir o som gosta de tocar air drums (e não…não sou eu…quer dizer…eu também, mas não me estou a referir a mim).

W: Muito obrigado Filipe! Dá-me um toque se conseguires descobrir como me safar daquele bug chato…
F: Já experimentaste desligar e voltar a ligar?

Apresentamos mais um Wizard: João Tiago – ou JT – é nosso Luke Skywalker dos Project Managers que luta para tentar manter a ordem no meio do caos.

JT_H_1

Wiz: Olá JT! Para não te obrigar a descrever o que fazes na Wiz, vou-te só pedir que comentes este gif:

tumblr_ntpc8udyLe1ucygelo1_250

João Tiago: Isto está completamente subvertido! O gestor do projecto é claramente o do meio. Em algumas situações, talvez o “bad ass power ranger”. Nunca o brincalhão relaxado. Isso é para os copys. :D

W: Aqui entre nós que ninguém nos ouve, e sendo tu um gestor de projecto, os Wizards são seres muito dificeis de manter na linha?
JT: Há sempre “jeitos” e maneiras diferentes de lidar com os teus colegas. Não maltratar ninguém até que seja absolutamente necessário é uma importante permissa, mas no geral, os Wizards são todos tranquilos e pacíficos. Excepto quando começa a faltar o café…

W: Sempre andaste nestas lides, ou já te meteste em trabalhos que nada têm a ver com isto de ser Project Manager?
JT: Durante muito anos e até aos dias de hoje estou envolvido em outros tipos de projectos. Sim, já fiz coisas diferentes. Já fui barman, passei um verão como oleiro, talhante (o meu pai ainda espera por mim em alguma altura desta vida), andei na apanha da fruta durante muitos Agostos da minha adolescência, ajudava o meu avô no campo, trabalhei numa biblioteca, andei (e ando) em tour com bandas… Enfim. Já experimentei umas quantas coisas.
No entanto, pode-se dizer que sempre fiz gestão de projectos. Digital ou não, sempre coordenei a implementação e desenvolvimento de ideias, trabalhos e acções. Desde pequeno que gosto desta coisa da responsabilidade e do desafio de tornar ideias em realidade.

W: Por aqui, todos sabemos que és “um gajo da música”. De que forma consegues conciliar esta faceta com a Wiz?
JT: Após o horário da WIZ, dedico-me aos outros projectos em que estou envolvido. Basicamente, o tempo que teria para estar no sofá a coçar a micose, ocupo-o com ensaios, gravações, reuniões, encontros com pessoas e pesquisa de ideias nesta área. Vou a concertos pelo menos uma a duas vezes por semana e confesso que os períodos de “dolce fare niente” são raros.

W: Se eu te pedir para imaginares a banda-sonora do dia-a-dia aqui na Wiz, o que é que te vem à cabeça?
JT: Vou dividir por dias da semana:

2ªf – M83 “Raconte-Moi Une Histoire”
(Ainda) é tudo muito bonito.

3ªf – Tony Britten, Royal Philharmonic Orchestra & Academia de St. Martin “Champions League”
Dia de Sport Lisboa e Benfica.

4ªf – Phoenix “Lasso”
Pode trocar com a terça feira, caso o Benfica jogue à quarta.

5ªf – Savages “City’s Full”
Quando estás no ponto de que tudo te toca no nervo. Especialmente pessoas.

6ªf – Daft Punk “Crescendolls”
F*ck this shit, TGIF!

W: Aconselha aqui à malta um álbum que andes a ouvir ultimamente.
JT: Sufjan Stevens “Carrie & Lowell”

W: Vamos lá testar essa paixão musical: preferias viver um ano sem música, ou sem saber os resultados do Benfica?
JT: Pergunta extremamente difícil. Estou a suar do bigode…
Acho que preferia um ano sem saber os resultados do Benfica. Para compensar podia sempre ouvir o hino e bandas sonoras das claques…

W: Há alguma coisa que possas contar sobre ti, que vá surpreender quem estiver a ler isto?
JT: Tenho fobia a marcadores. Sabes aquele som do marcador a escrever no papel? Ughhh… (Já estou a passar mal só de escrever isto…)

W:As pessoas também te perguntam “Em que bar?” quando dizes que trabalhas no Bairro Alto, ou é só a mim?
JT: Já aconteceu! Acho que os meus amigos pensam que a minha vida é feita a beber copos no Bairro ou sentado no Largo de Camões a ver miúdas giras a passar… Obviamente, é mentira.

W: Para terminar, dou-te a hipótese de deixares um aviso a ti próprio no primeiro dia em que entraste na Wiz.
JT: Aproveita a janela da cozinha enquanto podes porque vais ficar sem ela.

W: Obrigado JT, e que a Força esteja contigo.
JT: Obrigado, pequeno Padawan.

Aqui pela Wiz, vamos escrevendo a nossa História ajudando pelo meio a construir a História dos outros. Ou pelo menos, gostamos de pensar assim.

É por isso que sentimos um carinho especial quando temos a oportunidade de trabalhar com marcas enraizadas na cultura lisboeta. Foi esse o caso da Nomalism – que em tempos foi Multitecidos – a empresa têxtil que tem o epicentro em Campo de Ourique e que se alastra pelo resto da cidade por via dos seus afamados tecidos.

A recente mudança de nome e imagem deveu-se à necessidade de adaptação aos tempos modernos, e internacionalização da marca. Coube à Wiz contribuir para essa demanda com o que de melhor sabemos fazer: a loja online, que cumpre o importante papel de ser a extensão digital de um negócio bem tradicional.

normalism

E se o negócio dos tecidos já tem a sua mecânica de compra própria, o tipo de clientes da Nomalism tem também hábitos de consumo que não poderíamos ignorar. Quem procura tecidos, sabe o que quer. Essa especificidade permite-lhe chegar a Campo de Ourique, pedir “um tecido azul com um padrão floral em tons de amarelo” e rapidamente ver correspondida essa necessidade. Por isso, como transportar tudo isto para a loja online? Como catalogar toda a infindável oferta de produtos da Nomalism? Um desafio exigente, bem ao gosto dos Wizards.

A solução passou pela criação de um site com design ultraminimalista para fazer sobressair o que realmente interessa: a qualidade e variedade de tecidos da marca. A navegação intuitiva e a criação de uma mecânica de pesquisa guiada por filtros, permitem ao cliente personalizar ao máximo a sua procura: um “tecido verde com desenhos de animais” com a mesma faclidade encontrada na loja física.

1

Acima, o trabalho de design no ícones do menu de tecidos. Em baixo, um exemplo dos filtros de pesquisa.

2

Mas as vantagens da nova loja online não abrangem apenas o cliente. A feitiçaria da Wiz funcionou também com o intuito de permitir a fácil personalização do website por parte da própria Nomalism. Quer seja através de uma Homepage dinâmica – na qual a grelha, conteúdos e destaques podem ser configurados consoante a necessidade da empresa sem quaisquer conhecimentos técnicos – ou até mesmo dos diferentes mailshots que serão utilizados.

Nomalism_2

A versatilidade da disposição dos destaques da Homepage.

Nomalism_3

Por último, mas não menos importante e igualmente complicado: o desafio de integrar o sistema da loja online Nomalism com a plataforma PHC de gestão de stocks e facturação. Um desafio que é ainda maior quando temos em conta que esta plataforma não é de todo optimizada. Ou seja, para obter uma performance de carregamento rápido que se pretende numa loja online foi preciso muuuuito trabalho.

Após meses de desenvolvimento, o resultado não poderia ser mais satisfatório. Uma manta de retalhos transformada num tecido com selo Nomalism, que aliou o design de Susana Carvalho, Diana Mota e José Sobral ao talento dos coders Tomás, Filipe e Gonçalo, com o projecto a ser orientado pelo João Tiago.

Quem diria que os Wizards têm futuro nos têxteis?

Há projectos e projectos. Desafios mais interessantes que outros, vá. Provavelmente se dissermos que andámos umas semanas a pensar em lixo, resíduos e desperdício…prevê-se pouco entusiasmo. Percebemos porquê, e discordamos categoricamente. Até porque o desafio passava exactamente por aí: um vídeo que reciclasse este paradigma, digamos.

“Queremos mostrar os resíduos como um recurso fulcral para um desenvolvimento sustentável”. Pode não ter sido exactamente com estas palavras que a ISWA (International Solid Waste Association) abordou os Wizards, mas foi certamente com essa intenção. Mudar a percepção de “lixo” e revelar a fonte inesgotável de recursos que este sector pode criar. Acima de tudo, falar de um futuro melhor se todos seguirmos este caminho.

E claro, fazer tudo isso no ISWA World Congress’15, que se realizou – em Antuérpia, Bélgica – em Setembro deste ano, e reuniu toda a malta importante que manda no sector. Coisa pouca, portanto.

A responsabilidade era grande, o desafio entusiasmante, e a mensagem teria de transmitir esse mesmo positivismo. O título do vídeo deixa clara a oportunidade que o sector da gestão de resíduos não podia desperdiçar, e que a Wiz queria ajudar a tornar real. Ou não fosse este copywriter, um antigo aspirante a engenheiro do ambiente (é, aparentemente a vida também se quis reutilizar).

Assumindo isto de uma perspectiva mais épica: a ISWA revelava a chance de termos uma espécie de toque de Midas. Transformar os resíduos, que outrora eram visto como um problema ambiental, num recurso importante: “The Golden Resource”.

O projecto alerta para os conceitos complexos e importantes da ISWA. Falamos de “cascade utilization”, “circular economy”, “closing the loops” e coisas que tais. Confuso/a? É ver o vídeo.

The Golden Resource aliou o design e animação da Sponge e a sonorização de João Tiago, à loucação de Pedro “Chaichop” Santos de um guião elaborado por este que vos escreve. Afinal aqui na Wiz, também ajudamos a melhorar o mundo.