A famosa e barriguda garrafa de Mateus Rosé sofreu este ano uma mudança significativa. O Cantil (que é nome oficial desta garrafa porque o seu formato foi realmente inspirado num cantil de guerra) deixou de ser verde e passou a ser transparente.

Onde está o cantil?

Enquanto agência oficial das comunicações online de Mateus Rosé, a Wiz foi encarregue de anunciar este facto – e de expor os consumidores actuais e potenciais a esta nova (ausência de) cor.

Ao pensar sobre o assunto constatámos que quanto mais vazia uma garrafa transparente vai ficando, mais difícil é de encontrar. Deste insight nasceu a ideia para um jogo:

Um jogo adequadamente denominado.

Ao melhor estilo de um “Onde está o Wally?” a ideia é, ao longo de 30 níveis, ir encontrando o cantil de Mateus Rosé. Quer seja na mão de um qualquer transeunte…

Spoiler: alguém de cor-de-rosa...

Ou algures no deserto.

Spoiler: não está dentro da bossa...

O objectivo: ultrapassar cada um dos 30 níveis, cada vez mais difíceis,  dentro dos limites de tempo e de vidas.

A recompensa: prémios tão aliciantes como um ano inteiro de Mateus Rosé. Pelo caminho ainda há Easter Eggs, objectos que contam pormenores fascinantes da história de Mateus Rosé e que ao serem encontrados, também oferecem prémios.

Quem tem unhas bebe Mateus...

Até 21 de Novembro o jogo está a valer prémios. Joguem no computador, smartphone ou tablet e sigam também o nosso trabalho para Mateus Rosé no Facebook.

 

quid pro quo

Caros amigos, ultrapassámos a barreira dos 5.000 fãs no Facebook.
É hora de retribuir.

Ora a coisa mais valiosa da Wiz é o nosso trabalho e são as nossas ideias. Por isso fomos ao baú e preparámos
uma série especial de conteúdos: “5 Ideias à Frente que Ficaram para Trás”.

Ao longo desta semana partilharemos convosco 5 propostas da Wiz que nunca chegaram a ver a luz do dia.
Uma ideia por dia, todos os dias.
Quid pro quo.

Esta ideia foi criada há 2 anos.
Fazia parte de um plano que engendrámos para um concurso.

Acontece que a Wiz é composta de gente com muitos talentos diferentes.
Por isso, algures no meio do caos que é preparar tudo para um concurso, aconteceu algo difícilmente imaginável
numa agência (quase) 100% digital: desenhámos propostas à mão.

Graças a esse singelo facto, não só apresentámos maquetes com um ar mais fofinho, como ainda nos inspirámos
para criar a ideia que se segue.

Por algum motivo o vaso está aborrecido...

Ilustração: Susana Carvalho

O briefing é promover a nova colecção de uma notória marca de mobiliário e decoração – e os preços são altamente baixos.
Como “estamos” na internet, um meio interactivo, o que queremos é envolver o público na descoberta dos novos artigos e claro,
dos preços.

A proposta da Wiz é um jogo. Nome de código: iSketcher.
O objectivo é desenhar e adivinhar o que os outros jogadores desenham, como no Pictionary.
A diferença é que queremos pôr as pessoas a desenhar coisas para a casa: mesas, cadeiras, candeeiros, almofadas e por aí adiante.

Em cada turno, 1 artigo da marca – com o respectivo preço – é apresentado ao “Desenhador” para que ele o desenhe com ferramentas de traço muito simples, num tempo limite.

Enquanto isso, até 4 outros jogadores têm a hipótese de tentar adivinhar qual é o artigo.
Para isso, são-lhes apresentadas 6 opções – todas com os preços – e basta clicar no artigo que consideram mais parecido
com o desenho que estão a ver.

Cada um desenha uma vez. Os “adivinhadores” mais rápidos ganham mais pontos, os melhores “desenhadores” também.
Ao final de 5 turnos ganha o jogador com mais pontos.
Há scores, achievements e todas essas coisas que ajudam a fazer crescer um jogo.

Agora a parte importante: todos os artigos apresentados têm um botão muito especial.
Serve para o jogador guardar os que lhe despertarem o interesse na sua área de favoritos.
Assim que o acabar, poderá ver estes artigos em todo o seu esplendor – mais uma vez com os preços.

Propomos lançar o jogo com a nova colecção da marca num microsite.
Propomos criar padrões de decoração para as lojas com os desenhos que as pessoas fizerem dos produtos.
Propomos, se a coisa fizer sucesso, evoluir o jogo para iPhone e Android.
E se continuar a fazer sucesso, propomos continuar a usar esta ferramenta de promoção para novas colecções no futuro.
É só mudar o conteúdo.

À primeira vista o iSketcher pode parecer simples demais.
As pessoas podem não reparar bem nos artigos – e não se vislumbra grande dificuldade em perceber rapidamente o que está a ser desenhado.
A piada acontece quando nos calham vários (ou todos) os artigos da mesma gama.
Aí o jogo obriga-nos a reparar nos pormenores.
Senão como é que vamos distinguir, de entre 6 cabeceiras de cama, qual é que está a ser tão mal desenhada?

 

Aconteceu há uma mão-cheia de anos atrás.
A Wiz foi convidada para o concurso de uma operadora móvel que queria entrar nas redes sociais, especialmente no Facebook.

O Facebook era a 2ª maior rede social em Portugal, logo a seguir ao Hi5.
Ainda era uma experiência, uma coisa nova e um sítio onde se encontravam mais vezes os amigos do que as marcas.
A coisa tinha de ser bem pensada.

Com alguma pesquisa (não foi preciso muita), comprovámos o que estava a acontecer com a concorrência que já tinha posto um pé no Facebook. Estava a sofrer o que sofrem as marcas com uma forte componente de serviço a clientes quando entram numa comunidade online pouco madura: um verdadeiro espancamento.

Basicamente, toda a minha boa gente que tinha questões pendentes – ou quaisquer outros motivos de reclamação – aproveitava
os murais das marcas para revelar ao mundo a sua insatisfação. Tanto em Portugal como lá fora. E não eram nada meiguinhos.
Com a nossa Marca não ia ser diferente. Tínhamos de ter tacto.

Então apresentámos talvez a ideia mais absurda, arrojada e arriscada que alguma vez saiu da Wiz:
um plano maquiavélico de manipulação mental cujos resultados seriam difíceis de prever.

Levas tu ou dou eu?

Ilustração: Virgílio Peres

Tudo começa com muito trabalho prévio nos bastidores. No Serviço a Clientes da nossa Marca recrutamos e formamos 20 colaboradores para participarem num projecto secreto. Nome de código: PayBack Team. Cada membro desta equipa recebe formação em Redes Sociais e cria um perfil pessoal no Facebook – para fins profissionais.

Entretanto, o Serviço a Clientes da Marca sofre um ataque. Um bando de galinhas invade os escritórios.
Obra de um cliente frustrado, pois claro. O caos é generalizado.
Naturalmente, o vídeo da “câmara de segurança” vai parar ao Youtube. O acontecimento espalha-se e gera burburinho.
Mas calma, faz tudo parte do nosso plano.

A Marca responde ao “ataque”.
Lança um microsite dedicado a todas as pessoas com vontade de fazer maldades aos colaboradores do seu Serviço a Clientes.
Neste microsite, através de pequenos jogos full vídeo, os Clientes podem exorcizar os seus demónios: disparar um canhão de tomates aos colaboradores, atingir alvos que abrem alçapões e lançam colaboradores à água, mexer muito depressa o rato para criar uma corrente eléctrica que dá pequenos choques aos colaboradores. E por aí fora.

Mais importante ainda, o microsite inclui mecanismos para os clientes da nossa Marca submeterem as suas experiências menos positivas com o nosso Serviço a Clientes. Os testemunhos submetidos no micro-site são analisados e uma série de clientes são Convidados a participar num evento… o PayBack Day.

Chega o Grande dia do PayBack Day, o clímax do nosso plano.
À entrada deste evento, os Clientes convidados são surpreendidos com o último grito dos gadgets: um telemóvel 3G, oferta da Marca, carregado e pronto a partilhar as experiências do dia.

O evento é festa e uma aventura, uma mistura de Jogos sem Fronteiras e Wipeout.
Os Convidados e a PayBack Team são apresentados e misturados em equipas. Passam um dia em cheio numa série de jogos e dinâmicas de grupo.

Vingança! Mas só a brincar...

No meio disto tudo contamos que venha à tona uma coisa típica da Natureza Humana, a Empatia. É a tendência que temos para “colocar-nos no lugar do outro” quando o conhecemos um bocadinho melhor.

Esta é a nossa grande aposta: criar empatia entre os Clientes e o Serviço a Clientes. Dizem que é uma das formas mais eficazes de reduzir o ímpeto nas reclamações inflamadas de clientes para empresas.

Fruto da Empatia, neste dia de loucura, talvez os nossos Clientes partilhem fotos e vídeos com o seu telemóvel 3G novinho em folha – e assim contribuam para criar conteúdos positivos para a Marca.

Talvez estes Clientes – que são os mais propensos a inflamar as redes sociais – realizem que o Serviço a Clientes é feito por pessoas de carne e osso – como eles próprios. Criar esta percepção é um gatilho psicológico extremamente eficaz para reduzir tensões.

Talvez os Clientes adicionem um ou outro membro da PayBack Team à sua lista de amigos – e a partir daqui lhe peçam apoio personalizado sempre que precisarem. Talvez a coisa continue a crescer por aqui. Se cada um dos 20 membros da PayBack Team prestar Apoio Personalizado a 100 destes novos Clientes-Amigos, são menos 2.000 pessoas interessadas em despejar frustrações nas redes sociais da Marca.

Talvez quem sabe, algumas destas 2.000 pessoas até nos ajudem no que mais precisamos: defender a Marca do espancamento que nos aguarda.

Talvez sim ou talvez não – porque esta coisa da comunicação, especialmente nas redes sociais, ainda hoje está muito longe de ser uma ciência. Mas uma coisa é certa, todos precisamos de amigos quando nos espera um espancamento.

 

Corre o ano de 2008.
Portugal vê uma luz ao fundo do túnel.
É a luz do comboio de alta velocidade – o TGV – que está quase aí a chegar.

Então a Wiz recebe o convite para apresentar a sua visão de um site para o nosso próprio TGV português.
O objectivo é mostrar ao público as vantagens deste novo meio de transporte, ainda antes dele ser uma realidade:
viajar a 350 km/h, Lisboa-Porto em 1h15, Lisboa-Madrid em 2h45, áreas de trabalho e entretenimento, internet wireless,
cafetaria, catering – mais uma catrefada de benefícios ecológicos, económicos, demográficos e sociológicos para o País.

O relato que se segue é uma descrição breve e concentrada do site proposto pela Wiz.

Ilustração: Susana Carvalho

Chegamos ao site e vemos o TGV pronto a partir. O sistema detecta que Lisboa é a estação mais próxima de nós.
Pergunta: Porto ou Madrid – para onde queremos seguir? Escolhemos Madrid.

Entramos no TGV e começa a viagem. Uma consola mostra-nos o percurso, a (curta) duração da viagem e a nossa velocidade:
a crescer até aos 350 Km/hora.

Somos convidados a explorar o comboio por dentro: da ergonomia dos assentos ao belo do bar, tudo numa visita virtual “full vídeo”. Em todos os momentos temos um livro de bordo interactivo mesmo aqui à mão. Um livro, sim, porque os tablets ainda não foram inventados.

O livro de bordo apresenta-nos os benefícios ecológicos, económicos, demográficos e sociológicos deste cilindro que nos transporta. Tanto em versão light para consumo imediato (recheada de tópicos e infografias) como numa versão alargada para download.

Agora começa a parte gira.
Porque o tempo voa online, esta viagem de 2h45 passou em pouco mais de 2 minutos. Surge o aviso na consola: chegámos a Madrid. Somos convidados a espreitar pela janela.

Fotos de Madrid presentes no Flickr em 2008

De onde vêm estas fotografias?
De uma (outra) plataforma on-line onde milhões de pessoas partilham as suas fotografias com o mundo: o Flickr.
Por meio de uma ligação à API do Flickr, podemos ver fotos de cada uma principais cidades do percurso, sem sair do TGV.

Da mesma forma, feeds de outras plataformas mostram-nos outras coisas: eventos culturais em Madrid, locais turísticos em Madrid, hotéis em Madrid, ofertas de emprego em Madrid, quem sabe até casas para arrendar em Madrid. Em Madrid e nas outras capitais europeias, por aí fora, até ao limite da imaginação e dos feeds de informação.

Um mundo de informação real e actualizada, ao encontro dos interesses do turista, do homem de negócios e do potencial emigrante. Esta é a nossa proposta para o site do TGV.

E o site pergunta: para onde queremos seguir?

 

You’ve made it. And also Unit9, Google Chrome Team and Disney Interactive Media Group.

Find Your Way To Oz‘ is a new Chrome experiment inspired by the upcoming feature film ‘Oz The Great and Powerful’. Developed by UNIT9 the 3D environment is built entirely on WebGL and CSS3. Find you own journey…

Making off: http://www.html5rocks.com/en/tutorials/casestudies/oz/

Over a year has passed since the beginning of protests in Middle East and North Africa, and severe human rights abuse still endures.

There is no respect for freedom of expression. Protesters are being censored by their governments. Internet access is being blocked in these countries.

And without words, there can be no freedom.

Freedom Dictionary aims to give protesters a voice, using your help. Just choose a word, set it free and share it using social media networks. We will print 11 copies of the dictionary and send them to 11 countries where revolutions are still taking place.

SET YOUR WORD FREE @ freedomdictionary.org

freedom dictionaryA Wiz Interactive / Torke Project for Amnesty International Portugal