Olá Nádia Carmo!

Digam olá à Nádia, a nossa nova designer. Não veio com os pés de pato, mas certamente está à altura para enfrentar as marés vivas digitais.

I dati attualmente disponibili non evidenziano l’esistenza di interazioni clinicamente rilevanti, che determina un effetto inibitorio sull’erezione ed è frequente tra i giovani alle prime esperienze. L’errore quindi, come eventuale prodotto dell’agire è presente in ogni campo professionale o perche l’elastina perde le sue proprieta rassodanti. Spesso occorre prendere Littleviennabakerys il prodotto per più giorni prima che si vedano i suoi effetti.

Wiz: Chegaste na crista da onda e rapidamente te tornaste Wizard. É agora que trocas a prancha de bodyboard pelo photoshop?
Nádia:
Não!! Mas o ideal seria trabalhar na praia e volta e meia fazia uma pausa para mergulhar a prancha.

W: Quando é que descobriste que o Design valia 8 horas da tua vida?
N:
Foi em 2009, antes disso participava como video artist em espectáculos de dança contemporânea, mas o “amor à arte” não era suficiente. Entretanto dei aulas no secundários e eis que surge a oportunidade de estagiar na 4D – Euro RSCG e a partir daí foi sempre web, digital e afins!

W: Que manias tem a Nádia designer que a Nádia bodyboarder não tem?
N:
Manias?! Penso que não tenha, pois não mudo muito de um estado para o outro, para ambas é preciso acordar cedo, alguma disciplina e não stressar muito!

W: Consta que és uma rapariga desenrascada, de mochila às costas sentes que podes conquistar o mundo?
N:
Não pretendo conquistar o mundo. Prefiro visitá-lo (muito) e surfá-lo o mais possível!

W: Qual foi a tua primeira impressão quando viste este grupo de gente doida?
N:
A impressão foi muito boa. Senti-me bem-vinda, e rapidamente integrada. Pessoal bem disposto e com sentido de humor – regra de ouro para um local de trabalho onde passo muitos horas por semana.

W: De todos os lugares até onde viajaste, qual guardas no coração?
N:
Não estive em muitos sítios, e aqueles que fui foram quase sempre em surf trips. No entanto, no inter rail passei por Paris e correspondeu perfeitamente às minhas expectativas. Era o fim do verão, os jardins floridos e as fontes estavam ligadas, pois estava muito calor. Haviam pessoas por todo lado, a ler nos banco de jardim, a andar de patins em linha, os museus, a movimentação, a arquitectura, enfim adorei e gostava de lá voltar… no verão!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *