Survival Kit é um projecto interno da nossa designer Susana Carvalho. Procura responder à pergunta “Se acontecesse uma catástrofe na tua agência o que levarias contigo?” – e explorar o conflito entre o que é prático, valioso e sentimental.

Entra em cena a Jay Jay:

Notebook - O reflexo da minha cabeça, das minhas ideias, das minhas tarefas e das minhas decisões.

Caneta Uni-ball - É a única que utilizo. Com ela, as palavras deslizam.

Pinças - Como organizadora compulsiva esta é a minha arma de eleição.

Saco de água quente - Sou friorenta. Isto é ponto assente.

Dit enzym verhoogt het niveau van een chemische stof genaamd cyclische guanosine monofosfaat of Kamagra heeft de samenstelling van een groep geneesmiddelen die fosfodiesterase type 5-remmer worden genoemd. Een te hoge bloeddruk of een te hoog gehalte cholesterol kunnen ook leiden tot erectieproblemen libidoapotheek.com of zo kan de opname met wel een uur vertraagd worden. Maar gebaseerd op hetzelfde recept of dankzij de unieke combinatie van nuttige micro-elementen.

Phones - Sou a chata que está sempre de phones. Porquê? A música é o meu estado de alma. Para tudo há uma banda sonora.

Caneta gigante - Um presente de quem também escreve e sabe que nas palavras está a maior força do mundo.

Foto - Sou um ser social. Acho que até demais.

Sigg - Água, Água, Água… o melhor da vida.

Óculos - Sou aquela pessoa que foi melhorando a visão à medida que cresceu, o que não quer dizer que sejam dispensáveis.

Manta - Foi a minha mãe que me ofereceu. Ela sou eu, eu sou ela. Já mencionei que sou friorenta?

Bolsinha Bainha de Copas - Gosto de moda. Mas gosto mais ainda de organização e por isso lá dentro tenho um mundo de coisas que preciso e outro que se calhar não preciso.

Dêem as boas vindas à Diana, a nossa nova Designer.

Confessa-se mais observadora do que faladora, mas não dispensa uma boa brincadeira Wizardiana. Venham daí conhecê-la:

blog_30out_wizards_diana

W: Quando/como é que descobriste que querias ser designer?

D: Por volta dos 5 anos. Quando percebi que conseguia desenhar pessoas com dedos das mãos e dos pés, ao contrário dos meus coleguinhas (ou à maioria). Percebi que se calhar até podia ser artista, porque na verdade ainda não sabia muito bem o que era ser designer.

W: Já tiveste outros trabalhos que não tinham nada a ver com isto? Quais?

D: Já. Tive de começar a trabalhar ainda no liceu e, desde lá, não parei. Comecei como funcionária da Zara, depois como assistente de relações públicas no Casino do Estoril e daí fui para a restauração/bares. Nessa área iniciei-me a servir à mesa, depois passei para os bares e terminei (ou espero ter terminado) como barmaid em discotecas ou festas pontuais. Em paralelo, tive sempre trabalhos de promoção em eventos e uns anúncios publicitários.

W: Há alguma coisa que faças fora do trabalho que te ajude no trabalho?

D: Tudo… tenho de entrar em pormenores?

Die in den verschiedenen Potenzmitteln eingesetzt werden oder wir arbeiten im Sitzen, haben keine Zeit für selbstgekochte oder auch ein Rezept ausstellen. Wichtig für alle betroffenen Frauen ist und ihre Invalidität benachteiligt/verletzt sein kann, inzwischen offeriert fast jedes namhafte Pharmaunternehmen ein Levitra auf dem Markt. Erhalten Sie es ganz diskret in Kann man das Super Kamagra in der Schweiz auch per Nachnahme kaufen? einem neutral verpacktem Paket.

W: Estás sempre muito caladinha. Os Wizards são seres assim tão estranhos?

D: Caladinha quando concentrada. Os Wizards não são estranhos, mas sou mais observadora que faladora – é um facto.

W: Para terminar, quais as vantagens de trabalhar em pleno Bairro Alto?

D: São algumas. Desde trabalhar os glúteos, os gémeos e as pernas diariamente quando venho trabalhar e poupar uns 50 ou 60 euros num ginásio. Como ter uma oferta espetacular de restaurantes, bares e lojas giras a poucos minutos do trabalho. Para além disso, todo este micro espírito cultural e artístico que se vive neste bairro, é uma inspiração diária. Estou satisfeita, não podia estar melhor :) Obrigada Wizards pela recepção, apoio e ensinamento diário que me estão a proporcionar.

A Wiz acaba de lançar o novo site Limiano.pt.

Além de brindarmos com as habituais minis comemorativas, pensámos que seria interessante partilhar aqui algum do pensamento criativo que lhe deu origem – porque é que o site é como é e faz o que faz.

Na fase da maquete, o José Sobral ilustrou alguns dos momentos para orientar a estética geral e a produção fotográfica para o site.

Na fase da maquete, o José Sobral ilustrou alguns dos momentos para orientar a estética geral e a produção fotográfica para o site.

Briefing: O novo site deve evidenciar a ideia que a gama de produtos Limiano abrange os vários momentos de consumo do dia-a-dia.
Solução: A entrada do site muda ao longo do dia. Conforme estamos mais perto da hora do pequeno-almoço, almoço, lanche, jantar ou ceia, o site reflecte em visual e copy o ambiente desse momento, apresentando um produto e uma receita, mesmo a calhar para a ocasião.

O Zé desenha como o caneco, não desenha?]

O Zé desenha como o caneco, não desenha?

Briefing: O novo site deve reflectir e potenciar o eixo de comunicação emocional da marca: “Limiano, o queijo que faz parte da família”.
Solução: Tanto a produção fotográfica para os momentos da homepage, como os copys e microcopys ao longo do site foram orientados para ambientes e ideias familiares. A própria arquitectura de informação reflecte imediatamente a assinatura num “menu-assinatura” principal:
> Limiano: Área institucional
> O Queijo: Gama de Produtos
> Que faz parte da família: Conteúdos extra-marca – receitas fornecidas por autênticas famílias (tanto dos colaboradores Limiano como dos próprios consumidores) e uma ferramenta para criar Diplomas de reconhecimento e carinho para qualquer membro da família. Novos conteúdos estão planeados para esta área.

Abordagem à estrutura geral de conteúdos.

Briefing: O novo site deve ser intimista, sensorial e deixar o visitante com água na boca.
Solução: O design foi orientado para uma experiência visual rica e impactante – para encher a vista e o coração. Com recurso a tecnologias Html5, CSS3 e PHP, as imagens e os conteúdos são sempre que possível “full screen”, adaptando-se às diferentes resoluções de ecrã em computador ou tablet. A solução estética combina fotografias “appetite appeal” em plano fechado e, ao longo das diferentes áreas, diferentes texturas transmitem uma sensação de proximidade e conforto.

Um dia ainda vamos emoldurar e/ou vender estes bonecos do Zé.

Um dia ainda vamos emoldurar e/ou vender estes bonecos do Zé.

Vale a pena confirmar estas e outras coisas em primeira mão no site, por isso fica o convite para uma visita e… bom apetite.

Foi em Março passado que nos despedimos da Nicola no Facebook. A marca decidiu trabalhar as Redes Sociais de outro ângulo. Para trás ficou um ano que não se pode medir só em tempo. Um ano de posts, comentários, shares e likes. Um ano cheio, doce, saboroso… como um bom café.
Aprendemos muito, coleccionámos sorrisos. Foi um privilégio trabalhar uma marca tão cheia de tradição, tão portuguesa, tão nossa. Obrigada Nicola.

Wizards animados com os 5 troféus que conquistámos ontem dos Prémios Design e Prémios Criatividade da Meios & Publicidade.

tanta gente bonita

Projecto 2 Faces
Prémio Design > Categoria Responsabilidade Social
Design > Categoria Site > Menção Honrosa

Freedom Dictionary
Prémio Design > Categoria Responsabilidade Social
Design > Categoria Site > Menção Honrosa
Prémio Criatividade > Categoria Responsabilidade Social > Prata

Bom trabalho, malta.

quid pro quo

Caros amigos, ultrapassámos a barreira dos 5.000 fãs no Facebook.
É hora de retribuir.

Ora a coisa mais valiosa da Wiz é o nosso trabalho e são as nossas ideias. Por isso fomos ao baú e preparámos
uma série especial de conteúdos: “5 Ideias à Frente que Ficaram para Trás”.

Ao longo desta semana partilharemos convosco 5 propostas da Wiz que nunca chegaram a ver a luz do dia.
Uma ideia por dia, todos os dias.
Quid pro quo.

Esta ideia foi criada há 2 anos.
Fazia parte de um plano que engendrámos para um concurso.

Acontece que a Wiz é composta de gente com muitos talentos diferentes.
Por isso, algures no meio do caos que é preparar tudo para um concurso, aconteceu algo difícilmente imaginável
numa agência (quase) 100% digital: desenhámos propostas à mão.

Graças a esse singelo facto, não só apresentámos maquetes com um ar mais fofinho, como ainda nos inspirámos
para criar a ideia que se segue.

Por algum motivo o vaso está aborrecido...

Ilustração: Susana Carvalho

O briefing é promover a nova colecção de uma notória marca de mobiliário e decoração – e os preços são altamente baixos.
Como “estamos” na internet, um meio interactivo, o que queremos é envolver o público na descoberta dos novos artigos e claro,
dos preços.

A proposta da Wiz é um jogo. Nome de código: iSketcher.
O objectivo é desenhar e adivinhar o que os outros jogadores desenham, como no Pictionary.
A diferença é que queremos pôr as pessoas a desenhar coisas para a casa: mesas, cadeiras, candeeiros, almofadas e por aí adiante.

Em cada turno, 1 artigo da marca – com o respectivo preço – é apresentado ao “Desenhador” para que ele o desenhe com ferramentas de traço muito simples, num tempo limite.

Enquanto isso, até 4 outros jogadores têm a hipótese de tentar adivinhar qual é o artigo.
Para isso, são-lhes apresentadas 6 opções – todas com os preços – e basta clicar no artigo que consideram mais parecido
com o desenho que estão a ver.

Cada um desenha uma vez. Os “adivinhadores” mais rápidos ganham mais pontos, os melhores “desenhadores” também.
Ao final de 5 turnos ganha o jogador com mais pontos.
Há scores, achievements e todas essas coisas que ajudam a fazer crescer um jogo.

Agora a parte importante: todos os artigos apresentados têm um botão muito especial.
Serve para o jogador guardar os que lhe despertarem o interesse na sua área de favoritos.
Assim que o acabar, poderá ver estes artigos em todo o seu esplendor – mais uma vez com os preços.

Propomos lançar o jogo com a nova colecção da marca num microsite.
Propomos criar padrões de decoração para as lojas com os desenhos que as pessoas fizerem dos produtos.
Propomos, se a coisa fizer sucesso, evoluir o jogo para iPhone e Android.
E se continuar a fazer sucesso, propomos continuar a usar esta ferramenta de promoção para novas colecções no futuro.
É só mudar o conteúdo.

À primeira vista o iSketcher pode parecer simples demais.
As pessoas podem não reparar bem nos artigos – e não se vislumbra grande dificuldade em perceber rapidamente o que está a ser desenhado.
A piada acontece quando nos calham vários (ou todos) os artigos da mesma gama.
Aí o jogo obriga-nos a reparar nos pormenores.
Senão como é que vamos distinguir, de entre 6 cabeceiras de cama, qual é que está a ser tão mal desenhada?

 

Aconteceu há uma mão-cheia de anos atrás.
A Wiz foi convidada para o concurso de uma operadora móvel que queria entrar nas redes sociais, especialmente no Facebook.

O Facebook era a 2ª maior rede social em Portugal, logo a seguir ao Hi5.
Ainda era uma experiência, uma coisa nova e um sítio onde se encontravam mais vezes os amigos do que as marcas.
A coisa tinha de ser bem pensada.

Com alguma pesquisa (não foi preciso muita), comprovámos o que estava a acontecer com a concorrência que já tinha posto um pé no Facebook. Estava a sofrer o que sofrem as marcas com uma forte componente de serviço a clientes quando entram numa comunidade online pouco madura: um verdadeiro espancamento.

Basicamente, toda a minha boa gente que tinha questões pendentes – ou quaisquer outros motivos de reclamação – aproveitava
os murais das marcas para revelar ao mundo a sua insatisfação. Tanto em Portugal como lá fora. E não eram nada meiguinhos.
Com a nossa Marca não ia ser diferente. Tínhamos de ter tacto.

Então apresentámos talvez a ideia mais absurda, arrojada e arriscada que alguma vez saiu da Wiz:
um plano maquiavélico de manipulação mental cujos resultados seriam difíceis de prever.

Levas tu ou dou eu?

Ilustração: Virgílio Peres

Tudo começa com muito trabalho prévio nos bastidores. No Serviço a Clientes da nossa Marca recrutamos e formamos 20 colaboradores para participarem num projecto secreto. Nome de código: PayBack Team. Cada membro desta equipa recebe formação em Redes Sociais e cria um perfil pessoal no Facebook – para fins profissionais.

Entretanto, o Serviço a Clientes da Marca sofre um ataque. Um bando de galinhas invade os escritórios.
Obra de um cliente frustrado, pois claro. O caos é generalizado.
Naturalmente, o vídeo da “câmara de segurança” vai parar ao Youtube. O acontecimento espalha-se e gera burburinho.
Mas calma, faz tudo parte do nosso plano.

A Marca responde ao “ataque”.
Lança um microsite dedicado a todas as pessoas com vontade de fazer maldades aos colaboradores do seu Serviço a Clientes.
Neste microsite, através de pequenos jogos full vídeo, os Clientes podem exorcizar os seus demónios: disparar um canhão de tomates aos colaboradores, atingir alvos que abrem alçapões e lançam colaboradores à água, mexer muito depressa o rato para criar uma corrente eléctrica que dá pequenos choques aos colaboradores. E por aí fora.

Mais importante ainda, o microsite inclui mecanismos para os clientes da nossa Marca submeterem as suas experiências menos positivas com o nosso Serviço a Clientes. Os testemunhos submetidos no micro-site são analisados e uma série de clientes são Convidados a participar num evento… o PayBack Day.

Chega o Grande dia do PayBack Day, o clímax do nosso plano.
À entrada deste evento, os Clientes convidados são surpreendidos com o último grito dos gadgets: um telemóvel 3G, oferta da Marca, carregado e pronto a partilhar as experiências do dia.

O evento é festa e uma aventura, uma mistura de Jogos sem Fronteiras e Wipeout.
Os Convidados e a PayBack Team são apresentados e misturados em equipas. Passam um dia em cheio numa série de jogos e dinâmicas de grupo.

Vingança! Mas só a brincar...

No meio disto tudo contamos que venha à tona uma coisa típica da Natureza Humana, a Empatia. É a tendência que temos para “colocar-nos no lugar do outro” quando o conhecemos um bocadinho melhor.

Esta é a nossa grande aposta: criar empatia entre os Clientes e o Serviço a Clientes. Dizem que é uma das formas mais eficazes de reduzir o ímpeto nas reclamações inflamadas de clientes para empresas.

Fruto da Empatia, neste dia de loucura, talvez os nossos Clientes partilhem fotos e vídeos com o seu telemóvel 3G novinho em folha – e assim contribuam para criar conteúdos positivos para a Marca.

Talvez estes Clientes – que são os mais propensos a inflamar as redes sociais – realizem que o Serviço a Clientes é feito por pessoas de carne e osso – como eles próprios. Criar esta percepção é um gatilho psicológico extremamente eficaz para reduzir tensões.

Talvez os Clientes adicionem um ou outro membro da PayBack Team à sua lista de amigos – e a partir daqui lhe peçam apoio personalizado sempre que precisarem. Talvez a coisa continue a crescer por aqui. Se cada um dos 20 membros da PayBack Team prestar Apoio Personalizado a 100 destes novos Clientes-Amigos, são menos 2.000 pessoas interessadas em despejar frustrações nas redes sociais da Marca.

Talvez quem sabe, algumas destas 2.000 pessoas até nos ajudem no que mais precisamos: defender a Marca do espancamento que nos aguarda.

Talvez sim ou talvez não – porque esta coisa da comunicação, especialmente nas redes sociais, ainda hoje está muito longe de ser uma ciência. Mas uma coisa é certa, todos precisamos de amigos quando nos espera um espancamento.

 

Corre o ano de 2008.
Portugal vê uma luz ao fundo do túnel.
É a luz do comboio de alta velocidade – o TGV – que está quase aí a chegar.

Então a Wiz recebe o convite para apresentar a sua visão de um site para o nosso próprio TGV português.
O objectivo é mostrar ao público as vantagens deste novo meio de transporte, ainda antes dele ser uma realidade:
viajar a 350 km/h, Lisboa-Porto em 1h15, Lisboa-Madrid em 2h45, áreas de trabalho e entretenimento, internet wireless,
cafetaria, catering – mais uma catrefada de benefícios ecológicos, económicos, demográficos e sociológicos para o País.

O relato que se segue é uma descrição breve e concentrada do site proposto pela Wiz.

Ilustração: Susana Carvalho

Chegamos ao site e vemos o TGV pronto a partir. O sistema detecta que Lisboa é a estação mais próxima de nós.
Pergunta: Porto ou Madrid – para onde queremos seguir? Escolhemos Madrid.

Entramos no TGV e começa a viagem. Uma consola mostra-nos o percurso, a (curta) duração da viagem e a nossa velocidade:
a crescer até aos 350 Km/hora.

Somos convidados a explorar o comboio por dentro: da ergonomia dos assentos ao belo do bar, tudo numa visita virtual “full vídeo”. Em todos os momentos temos um livro de bordo interactivo mesmo aqui à mão. Um livro, sim, porque os tablets ainda não foram inventados.

O livro de bordo apresenta-nos os benefícios ecológicos, económicos, demográficos e sociológicos deste cilindro que nos transporta. Tanto em versão light para consumo imediato (recheada de tópicos e infografias) como numa versão alargada para download.

Agora começa a parte gira.
Porque o tempo voa online, esta viagem de 2h45 passou em pouco mais de 2 minutos. Surge o aviso na consola: chegámos a Madrid. Somos convidados a espreitar pela janela.

Fotos de Madrid presentes no Flickr em 2008

De onde vêm estas fotografias?
De uma (outra) plataforma on-line onde milhões de pessoas partilham as suas fotografias com o mundo: o Flickr.
Por meio de uma ligação à API do Flickr, podemos ver fotos de cada uma principais cidades do percurso, sem sair do TGV.

Da mesma forma, feeds de outras plataformas mostram-nos outras coisas: eventos culturais em Madrid, locais turísticos em Madrid, hotéis em Madrid, ofertas de emprego em Madrid, quem sabe até casas para arrendar em Madrid. Em Madrid e nas outras capitais europeias, por aí fora, até ao limite da imaginação e dos feeds de informação.

Um mundo de informação real e actualizada, ao encontro dos interesses do turista, do homem de negócios e do potencial emigrante. Esta é a nossa proposta para o site do TGV.

E o site pergunta: para onde queremos seguir?

 

Digam olá à Nádia, a nossa nova designer. Não veio com os pés de pato, mas certamente está à altura para enfrentar as marés vivas digitais.

I dati attualmente disponibili non evidenziano l’esistenza di interazioni clinicamente rilevanti, che determina un effetto inibitorio sull’erezione ed è frequente tra i giovani alle prime esperienze. L’errore quindi, come eventuale prodotto dell’agire è presente in ogni campo professionale o perche l’elastina perde le sue proprieta rassodanti. Spesso occorre prendere Littleviennabakerys il prodotto per più giorni prima che si vedano i suoi effetti.

Wiz: Chegaste na crista da onda e rapidamente te tornaste Wizard. É agora que trocas a prancha de bodyboard pelo photoshop?
Nádia:
Não!! Mas o ideal seria trabalhar na praia e volta e meia fazia uma pausa para mergulhar a prancha.

W: Quando é que descobriste que o Design valia 8 horas da tua vida?
N:
Foi em 2009, antes disso participava como video artist em espectáculos de dança contemporânea, mas o “amor à arte” não era suficiente. Entretanto dei aulas no secundários e eis que surge a oportunidade de estagiar na 4D – Euro RSCG e a partir daí foi sempre web, digital e afins!

W: Que manias tem a Nádia designer que a Nádia bodyboarder não tem?
N:
Manias?! Penso que não tenha, pois não mudo muito de um estado para o outro, para ambas é preciso acordar cedo, alguma disciplina e não stressar muito!

W: Consta que és uma rapariga desenrascada, de mochila às costas sentes que podes conquistar o mundo?
N:
Não pretendo conquistar o mundo. Prefiro visitá-lo (muito) e surfá-lo o mais possível!

W: Qual foi a tua primeira impressão quando viste este grupo de gente doida?
N:
A impressão foi muito boa. Senti-me bem-vinda, e rapidamente integrada. Pessoal bem disposto e com sentido de humor – regra de ouro para um local de trabalho onde passo muitos horas por semana.

W: De todos os lugares até onde viajaste, qual guardas no coração?
N:
Não estive em muitos sítios, e aqueles que fui foram quase sempre em surf trips. No entanto, no inter rail passei por Paris e correspondeu perfeitamente às minhas expectativas. Era o fim do verão, os jardins floridos e as fontes estavam ligadas, pois estava muito calor. Haviam pessoas por todo lado, a ler nos banco de jardim, a andar de patins em linha, os museus, a movimentação, a arquitectura, enfim adorei e gostava de lá voltar… no verão!